Paul Cézanne

A Baía de Marselha, vista de L’Estaque – c.1885

Descrição do produto

  • Reprodução em alta definição com tinta pigmentada

 

  • Impressão em altíssima qualidade em tecido canvas traduz a mesma aparência de uma tela de pintura com aspecto artístico.

 

  • Tecido “flexível”, de aparência rústica, podem ser tencionados (esticados) em chassi de madeira ou receber moldura.

 

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

DETALHES DA OBRA:

Título da obra: The Bay of Marseille, Seen from L’Estaque (A Baía de Marselha, vista de L’Estaque)

Arista da obra: Paul Cézanne  (Francês)

Ano da obra: 1880-1890

Técnica original da obra: óleo sobre tela

Dimensões originais da obra: 80,2 × 100,6 cm

______________________________________________________________________________________________________________________________________________

HISTÓRIA E CURIOSIDADES DA OBRA:  

Em uma carta para seu amigo e professor Camille Pissarro, Paul Cézanne comparou a vista do mar de L’Estaque a uma carta de baralho, com suas formas e cores simples. A configuração e a cor da paisagem o fascinaram. Esta pintura é uma das mais de uma dúzia de vistas criadas pelo artista durante a década de 1880. Cézanne dividiu a tela em quatro zonas – arquitetura, água, montanha e céu. Embora esses quatro elementos sejam vistos repetidamente nas pinturas impressionistas, a obra de Cézanne é muito diferente da de seus colegas artistas. Enquanto seu objetivo principal era registrar os efeitos transitórios da luz, Cézanne estava interessado na estrutura subjacente e na composição das visões que pintou. Preenchendo a tela com formas definidas por cores fortes e contrastantes e uma grade complexa de linhas horizontais, verticais e diagonais, ele criou um padrão dinâmico, altamente compacto, de água, céu, terra e vila que, de uma só vez, remete a pinturas paisagísticas tradicionalmente estruturadas e aguarda as inovações do cubismo. Usando pinceladas de blocos para construir o espaço, Cézanne criou uma composição que parece tanto bidimensional quanto tridimensional. Não preso firmemente no lugar, suas formas parecem se tocar e mudar continuamente, criando uma sensação de volume e espaço que fortalece a composição e dá vida a ela. (Museum of the Art Institute of Chicago)